O guia do santuário ecológico

O guia do santuário ecológico

Científico

Artigos
Estudos

Busca

Galeria de Fotos

Pantanal de Aquidauana PDF Imprimir E-mail
O pantanal de Aquidauana apresenta como limites: ao norte, o pantanal da Nhecolândia; ao sul, a própria cidade de Aquidauana; a leste, a serra de Aquidauana; a oeste, os pantanais de Miranda e Abobral.

O Pantanal de Aquidauana, assim como o de Miranda, é definido mais como pantanal alto, sendo menos afetado pelas enchentes do que outros pantanais.

Traduzindo, pode-se afirmar que as perdas e malefícios causados aos rebanhos pela ocorrência de enchentes, nestes dois pantanais, apresentam menor incidência.

O pantanal de Aquidauana está fortemente vinculado, florística e edaficamente, aos pantanais de Abobral e Nhecolândia. A área do rio Negro, em rigor, é um prolongamento natural da Nhecolândia, mostrando a presença de baías, salinas e solo arenoso, sobre o qual assenta-se a pastagem.
 
As áreas de barro estão restritas às imediações de cursos d'água. A vegetação na zona do rio Negro é principalmente de campo, savana e bosques isolados (capões), quase igual à da Nhecolândia. Manchas pequenas de carandá são aí observadas.

Os campos limpos, extensos em área, são maciçamente povoadas por capim-mimoso (A. purpusii), capim-mimosinho (Rimarochloa spp.), Paspalum almun e Hermathria altissima.

Nas savanas aparecem com alta freqüência espécies como a piúva e o cambará. O capim-mimoso forma campos limpos, onde se torna quase dominante absoluto.

Na margem norte do rio Negro, onde predomina o solo arenoso, a fitofisionomia é aquela da Nhecolândia, ocorrendo aí com abundância duas espécies invasoras, o capim-carona e Andropogon selloanus.

As invasoras lenhosas desta margem são também aquelas de solos arenosos, destacando-se a canjiqueira e a lixeira.

Na margem sul do rio Negro, o solo tende para silte e argila, ocasionando reflexos ecológicos.

Forrageiras com presença marcante aí, e não encontradas na margem norte, são Paspalum almun e Panicum laxum.
 
FONTE:
Recursos Forrageiros nativos do Pantanal mato-grossense, por Antonio Costa Allem e José Francisco Montenegro Valls. Brasília, 1987. (EMBRAPA-CENARGEN. Documentos, 8)
 
 
Joomla 1.5 Templates by Joomlashack